pular para o conteúdo

Programa de Aceleração reúne em São Paulo empreendedores, financiadores e negócios que atuam na Amazônia

evento aceleração

Evento é parte da jornada dos negócios e inclui apresentação de pitches, encontro com investidores e roda de conversa com outros empreendedores já acelerados

Empreendedores e empreendedoras que atuam na Amazônia gerando impacto positivo se reúnem em São Paulo, nos dias 24 a 26 de maio, em encontro promovido pelo Programa de Aceleração com uma programação de jornadas de negócios e rodadas de conexões entre empreendedores e financiadores. A iniciativa é do “Projeto de Pagamentos por Resultados de REDD+’’, promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pelo Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA).

Amazônia Bee, ATLAS Florestal, Cacauaré Cacau Nativo da Amazônia, Deveras Amazônia, MOMA Natural e Passyflora Projetos Agro Sustentáveis serão os empreendimentos que irão participar do evento, cujo tema principal será Modelo de Negócio, com conteúdos sobre análise de mercado, segmentação de cliente, canais de venda, relacionamento com cliente e gestão financeira. 

Além de atividades práticas voltadas a esses temas centrais, a programação inclui apresentação de pitches, interação com investidores – como Martin Mitteldorf (MOV Investimentos), Daniel Contrucci (Climate Ventures), Thiago Grandi e Bruna Pelegio (Sitawi), Andrea Rezende (Mirova/ImpactEarth) e Patricia Ellen (AYA Hub + SystemIQ) – além das presenças da coordenadora geral do Projeto, Andréa Bolzon, e da secretária de bioeconomia do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Carina Pimenta. 

Durante o evento acontecerá também uma roda de conversa com empreendedores da Vivalá, Mahta e Soul Brasil Cuisine – negócios de impacto já acelerados e também com atuação na Amazônia. O momento proporcionará trocas de experiências e aprendizados entre os negócios participantes.

Esse é o segundo encontro  presencial do Programa de Aceleração com os negócios participantes. O primeiro momento aconteceu em Belém (PA), e abordou “Modelo de Impacto”. 

O Programa tem oferecido também aos participantes webinares e atividades individuais de leitura e aprofundamento, e segue com programação até agosto, abordando outros temas para o desenvolvimento dos negócios.

O evento em São Paulo acontece com apoio local do AYA Hub, que integra a AYA Earth Partners, primeira coalizão do Sul Global dedicada a posicionar o Brasil como centro da solução na transição para uma economia de baixo carbono, e que tem como propósito unir empresas que já se comprometeram com a jornada de descarbonização e oferecer soluções e melhores práticas do mercado para apoiá-los na transição para o Net-Zero. 

Sobre o Programa de Aceleração – O Programa de Aceleração é parte do  “Projeto de Pagamentos por resultados de REDD+ alcançados pelo Brasil no bioma Amazônia em 2014 e 2015” promovido pelo MMA  e PNUD com apoio do Green Climate Fund (GCF). A iniciativa tem como parceiros executores o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), AMAZ aceleradora de impacto e Sense-Lab.

O Projeto busca recompensar quem protege e recupera a floresta e contribui para a redução de emissões de gases de efeito estufa. Até 2026, reconhecerá o trabalho de pequenos produtores rurais, apoiará projetos de povos indígenas e comunidades tradicionais, fortalecerá a estratégia nacional de REDD+ e apoiará empreendimentos de impacto que dialoguem com o desenvolvimento sustentável da Amazônia Legal.

É o primeiro Projeto a receber recursos do GCF como recompensa pela redução das emissões de gases de efeito estufa e a executar o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) nessa escala. Uma resposta urgente e inovadora para manter a floresta em pé e combater a mudança global do clima.

Conheça os negócios acelerados 

Todos os negócios selecionados pelo Programa +Inovação Aceleração possuem atuação na Amazônia ou potencial de atuação nos próximos seis meses. Saiba mais sobre eles:

Amazônia Bee (Manaus – AM): Produz e comercializa alimentos, biocosméticos e fitoterápicos oriundos da Meliponicultura, e também presta serviços de consultoria e assessoria em cadeias produtivas da sociobiodiversidade.

ATLAS Florestal (São Paulo – SP): Empresa de restauração florestal produtiva. Planejam, modelam, implementam e monitoram florestas produtivas, com um conselho técnico multidisciplinar capaz de desenvolver ações regenerativas e personalizadas.

Cacauaré Cacau Nativo da Amazônia (Mocajuba – PA): Empresa de mulheres que maneja e extrai cacau nativo da Amazônia para beneficiamento em amêndoas para chocolate fino e outros subprodutos de cacau, como mel de cacau, geleias, capilés, doces, nibs e barras.

Deveras Amazônia (Santarém – PA): Trabalha com a comercialização de produtos alimentícios, como geleias e conservas, baseados em pesquisas científicas de espécies da região amazônica.

MOMA Natural (São Paulo – SP): Produz e vende cosméticos naturais artesanais, como shampoos, condicionadores, sabonetes faciais e corporais. São produtos de consumo consciente, de origem nacional e sustentável, com matéria-prima oriunda da sociobiodiversidade da Amazônia. 

Passyflora Projetos Agro Sustentáveis (Rio Branco – AC): Implementação de boas práticas nas atividades florestais e agropecuárias, alinhando produtividade e sustentabilidade. Atua na estruturação de cadeias produtivas da bioeconomia e na implementação de boas práticas para produção agropecuária.

Fotos: Paulo Castro/PNUD

Voltar

Mais Notícias

Translate »